Translate

terça-feira, 13 de agosto de 2013

O primeiro Freela


Meus cartões de visita chegaram, mas não com novos clientes como eu esperava, infelizmente. 


Comecei, então, uma intensa distribuição de cartões...lojas infantis, bufês, salões de beleza...e...padaria, açougue, sex shop, quitanda da esquina, banca de jornal, mercadinho do seu Quirino...


Nessa época eu estava terminando um outro curso, de fotografia para casamentos. No final do curso foi feita uma simulação de um casamento com direito a todas as etapas: Making of dos noivos, fotos da noiva no carro, entrada da noiva, aliança, enfim...até chegarmos na famosa foto da noiva jogando o buquê, que aliás tem vida própria, pois ele "pula" da mão da noiva a hora que lhe dá na telha...e o fotógrafo não pode perder o clique...

Nesse mesmo dia eu conheci uma fotógrafa experiente, que foi com a minha cara e começou a me chamar para fazer freelas com ela !!! ("tem louco pra tudo")

E assim eu cheguei no meu primeiro trabalho. Era a renovação dos votos de um casal em suas Bodas de Ouro, e na sequência faríamos as fotos da recepção. 
É claro que eu cheguei muito mais cedo e comecei a fotografar a decoração.

Eis duas das centenas de fotos que fiz da decoração:





















Depois de muitos minutos, mas não atrasada, chegou a fotógrafa. Fomos conversar a respeito da cerimônia, da recepção, entre outros detalhes do trabalho. Neste momento fiquei sabendo um pouco mais sobre o casal. O marido estava muito doente e em seus últimos dias de vida. Aquela festa seria para a família e amigos se despedirem dele.  

Agora vamos desfocar o humor e focar a emoção, neste blog.


Esta informação sobre o estado de saúde do marido fez toda diferença para mim. Fui para a rua fumar um cigarrinho e pensar. 


"O negócio é sério...na hora de registrar momentos de emoção das pessoas, não podem haver falhas...este será o último encontro de aquele homem...pai, marido, avô, amigo, com sua família e amigos. As fotos serão vistas e revistas por muitos amigos e parentes, durante gerações."


Aquela máxima da fotografia, que até já se tornou cliché, "Fotografar Emoções", tornou-se para mim, naquele momento, a maior das verdades. E foi buscando isso que segui fotografando naquela noite.







                                   















Acabada a festa, eu estava "acabada" física e emocionalmente (não é no primeiro evento que "se pega o pique"), fui então me despedir da fotógrafa, agradecer o convite e avaliar minha atuação, postura, posicionamento, etc.


"Tudo certo, bom trabalhar com voce, mas só tem um probleminha: fotografia de evento e cigarro não combinam."




7 comentários:

Raul de Sá Freire Neto disse...

Cada vez melhor!

Sandra Torres disse...

Querida Mirian, para o seu primeiro freela, você está de parabéns e merece nota 10. Seus olhos, quer dizer, sua Canon, registrou não apenas emoções, mas o principal: o AMOR entre os protagonistas e os participantes. Mais uma vez, parabéns pelo seu excelente profissionalismo.

Mirian Lamy disse...

Obrigada Raul e Sandra...

Maria disse...

Perua, estou roxa de inveja. Quisera ter um tiquinho da tua coragem para meter as caras no que decide. Sempre soube que você escreve bem e agora, com tuas fotos ilustrando, virou covardia. Mete bronca, já deu certo, só falta a grana. Beijos

Mirian Lamy disse...

Perua ...brigadin pelos elogios e vc está certissima no tocante à grana...

Eu ficaria honradíssima em ilustrar um livro seu, pois quem escreve bem e muito bem é vc.

Mateus Medina disse...

Pode ser clichê dizer, mas as fotos estão lindas.

Emoções para captar não faltaram. E pelo que se vê, foram muito bem captadas.

bjos

Mirian Lamy disse...

Obrigada mesmo Mateus..